fbpx

Você sabe investir em commodities?

As commodities agrícolas têm ganhado cada vez mais visibilidade e importância nesse momento de pandemia. Se antes a compra e venda dessas mercadorias era reservado a agricultores, traders, distribuidores e vendedores finais, hoje em dia ganha popularidade entre o investidor chamado “urbano”, que não tem uma aparente conexão com o campo, mas está investindo na bolsa de valores.

“É importante ter atenção às commodities pelo potencial que elas oferecem, especialmente agora, em que existe forte expectativa em relação à superação da crise provocada pelo novo coronavírus. As commodities destacam-se porque dentro de um cenário de recuperação econômica mundial. O movimento tem relação com fatores como a divulgação da eficácia de diferentes vacinas contra a Covid-19 e a diminuição das incertezas em relação ao futuro”, aponta a plataforma Genial Investimentos.

COMO INVESTIR

Por se tratar de um ativo de renda variável, a compra e a venda de commodities ocorrem no pregão da Bolsa de Valores B3, podendo ser realizadas por qualquer investidor autorizado para atuar nesse mercado. A operação pode ser feita via Home Broker das plataformas de investimento. Os contratos são negociados por códigos que indicam o ativo, seu mês e ano de vencimento.

“O investidor precisa ter conta aberta em uma plataforma de investimentos autorizada a negociar com a B3, fazer a transferência de dinheiro para a corretora, estudar as características das commodities e dos mercados de seu interesse, a ponto de poder visualizar um resultado futuro desse ativo. Posteriormente, é necessário emitir uma ordem de compra no Home Broker para fazer o investimento”, explicam os especialistas em investimentos.

INVESTINDO NO FUTURO

“Mercado futuro” é o nome dado a um ambiente na B3 em que são negociados contratos que contam com prazo de vencimento definido em data futura. Esses contratos são passíveis de oscilação nos valores dos ativos entre a data em que os contratos são firmados e o vencimento.

“Se um investidor compra um contrato futuro em determinada cotação e o ativo valoriza, a diferença deve ser creditada na conta desse investidor dentro da corretora. Caso haja desvalorização, então o que se perdeu deve ser descontado. No caso da venda, quando o investidor vende um contrato e a cotação do ativo cai, então ele recebe dinheiro. Do contrário, ele paga, sendo esse acerto sempre diário”, explica a Genial Investimentos.

COMO ESCOLHER

De acordo com os especialistas, para escolher onde e como investir é preciso ter atenção às notícias do mercado nacional e do internacional: “Commodities são negociadas em escala global, o que significa que mesmo produtos brasileiros são afetados por questões como guerras comerciais e câmbio. É válido entender mais sobre a economia dos países compradores de commodities porque isso é um sinal do que esse tipo de investimento pode trazer no futuro”.

“A China, por exemplo, é um importante importador de soja em grãos do Brasil, enquanto a União Europeia destaca-se na compra de farelo de soja, café verde e os Estados Unidos consomem muita celulose e carne bovina. Entender como esses países tendem a se comportar no fim da pandemia e de que formas pretendem movimentar suas economias daqui para a frente ajudam a compreender o contexto de valorização ou desvalorização das commodities nos próximos meses”, conclui a Genial.

Fonte: AGROLINK -Leonardo Gottems