fbpx

Possíveis problemas climáticos na safrinha podem levar preço do milho para mais de R$ 100,00 no 2° semestre

As cotações do milho estão beirando os R$ 100,00 a saca na Bolsa Brasileira (B3). Na última terça-feira (06), por exemplo, o vencimento maio/21 foi cotado à R$ 99,72 e o julho/21 valeu R$ 95,45.

Segundo o gerente de consultoria agro do Itaú BBA, Guilherme Bellotti, existem uma série de fundamentos altistas no mercado que sustentam estes patamares elevados de preços. Entre eles estão a disponibilidade limitada no spot, a produção menor do que a esperada na primeira safra, o plantio tardio e mais arriscado da safrinha e questões internacionais como pouco crescimento de área nos Estados Unidos e quebra na Argentina.

Dessa maneira, o especialista acredita que todos os fundamentos apontam para valorização das cotações no restante deste primeiro semestre e podem continuar, ou até mesmo crescer ainda mais, na segunda metade do ano.

O que vai determinar isso será o tamanho da produção da safrinha brasileira. O Itaú BBA ainda projeta uma safra de 80 milhões de toneladas e, caso o volume seja elevado, os preços tendem a recuar, mas ainda mantendo-se altos com relação aos índices históricos.

Por outro lado, caso haja problemas climáticos no desenvolvimento das lavouras, os preços vão seguir altos e podem inclusive ultrapassar a barreira dos R$ 100,00 a saca mesmo que isto seja maior do que as paridades com o mercado físico e de exportação.

Diante deste cenário, Bellotti aconselha que os consumidores do cereal busquem alternativas para se proteger no mercado, como fixação de cotações para evitar novas possíveis altas caso haja quebra de produção em algum dos países produtores.

Fonte: Guilherme Dorigatti - Notícias Agrícolas