fbpx

Nova alfafa combate pragas e aumenta produção

Estudo foi feito nos Estados Unidos

A província argentina de La Pampa proibiu a comercialização de agroquímicos no final de janeiro, devido a uma disputa entre o governo local e a Fundação Campo Limpio, responsável pela recuperação, reciclagem, redução e reutilização de contêineres fitossanitários. Foi estabelecido um prazo de 270 dias para o comissionamento de um sistema de gerenciamento de contêineres fitossanitários vazio. Isso expirou em 28 de janeiro e, até que as condições mínimas de segurança sejam cumpridas, as vendas de agroquímicos são proibidas. 

O artigo 3 da disposição do Subsecretário Provincial do Meio Ambiente declara que está “constatando a violação do Sistema de Gerenciamento Integrado de Embalagens Vazias de Produtos Fitossanitários apresentado pela Fundação Campo Limpio”. O governo exige que a fundação apresente, aprove, habilite e operw o sistema de gestão integral. A província também pediu a Campo Limpio para colocar o sistema de coleta em operação dentro de 20 dias e enviar a proposta formal dentro dos próximos 10 dias para aprovação. 

Os setores da cadeia de marketing disseram que essa situação ocorreu devido a algo que não foi atendido em tempo hábil. Eles, portanto, indicaram que é esperada uma solução rápida e instaram os registrantes do setor a preencher os requisitos e resolver a situação. Além disso, alegaram que os mais responsáveis são os registrantes, que são os laboratórios. 

Quanto ao impacto dessa medida nos negócios, eles indicaram que é muito cedo para estimar o impacto econômico na cadeia, mas enfatizaram que o maior risco é o surgimento de pragas ou ervas daninhas que afetam as culturas e não podem ser combatidas. 

Fonte: Agrolink