fbpx

Nematóides são mais espertos que as defesas das pragas

A lagarta do milho ocidental, uma das pragas de milho mais prejudiciais do mundo, pode usar compostos de defesa de plantas para se defender de seus próprios inimigos naturais, os chamados nematóides entomopatogênicos. No entanto, os nematoides podem se tornar imunes a esses compostos, o que aumenta sua capacidade de combater a lagarta ocidental do milho, como mostram os pesquisadores da Universidade de Berna.

Em um estudo anterior, Christelle Robert e Matthias Erb, do Instituto de Ciências Vegetais (IPS) da Universidade de Berna, elucidaram uma das estratégias subjacentes ao sucesso da lagarta ocidental. As plantas de milho armazenam certas substâncias de defesa, os chamados benzoxazinóides, em suas raízes. Essas substâncias são prejudiciais a muitas pragas.

No entanto, a lagarta do milho ocidental desenvolveu uma estratégia para desintoxicar essas substâncias. As larvas da lagarta do milho tornam-se resistentes à defesa da planta. Além disso, as larvas armazenam os benzoxazinóides em seus corpos e, por sua vez, os usam para se defender contra seus próprios inimigos, incluindo lombrigas parasitas (nematóides entomopatogênicos). O fato de a lagarta do milho ocidental ter encontrado uma estratégia de defesa contra nemátodos é de particular importância.



“Sucesso considerável já foi alcançado no campo usando nemátodos; medidas de aumento de eficiência podem aumentar ainda mais essa abordagem”, explica Matthias Erb, professor de interações bióticas da IPS. “Neste contexto, nos perguntamos: se pragas, como a lagarta do milho ocidental, podem se tornar imunes contra substâncias de defesa das plantas, organismos benéficos, como nematóides entomopatogênicos, podem fazer o mesmo?”

Os pesquisadores compararam nemátodos de áreas nas quais a lagarta ocidental está presente com nematóides de áreas onde está ausente. “Descobrimos que nemátodos de áreas infestadas são resistentes aos benzoxazinoides, ao contrário de nemátodos de outras áreas”, diz Xi Zhang, que trabalhou no projeto como aluno de doutorado. No laboratório, os pesquisadores foram capazes de observar que os nematóides expostos à minhoca ocidental do milho se tornaram resistentes às substâncias de defesa das plantas em apenas algumas gerações. “A velocidade dessa adaptação nos surpreendeu”, completa.

Fonte: Agrolink