fbpx

Herbicidas para soja: Manejo certeiro sem prejudicar a lavoura

Herbicidas para soja: Produtos mais recomendados, dicas para manejo em tempo seco e como evitar fitotoxidade na lavoura

Alguns grandes problemas no manejo de plantas daninhas vêm assustando os sojicultores e impedindo o aumento da produtividade.



Produtores enfrentam a buva resistente a 5 mecanismos de ação, dispersão de capim-amargoso para novas áreas, só para citar alguns exemplos.

Além disso, devido à seca em diversas regiões do país, foi difícil fazer um bom manejo de daninhas na entressafra.

Saiba como fazer um manejo eficiente de herbicidas para soja, mesmo nesses casos difíceis, e evite problemas em sua área!

Herbicidas para soja: Manejo de plantas daninhas 

É primordial que o manejo de plantas daninhas na cultura da soja comece na entressafra, pois neste período temos mais ferramentas disponíveis.

Atenção: plante no limpo a soja, pois a cultura tolera poucos dias de convivência com plantas daninhas(próximo a 12 dias).

Devido ao padrão de seletividade de herbicidas para soja, priorize o controle de folhas largas na entressafra, como buva e picão preto.

Existem poucos herbicidas que podem ser aplicados em pós-emergência para controle de daninhas de folha larga que não afetem a soja (ou causem pequena fito).

Além disso, nesta safra houve inúmeros problemas com a dessecação das daninhas na entressafra. Por causa do tempo seco, muitos produtos perdem eficiência se não aplicados da maneira certa.

Devido à evolução, as plantas criaram mecanismos de impedir a perda de água excessiva em períodos de estiagem prolongada. Um exemplo é o aumento da quantidade de cera na superfície da folhas e desenvolvimento de estruturas que impeçam a perda de água.

Além disso, a maioria dos herbicidas atua em rotas bioquímicas que, durante o período seco, tem menor atividade – diminuindo inclusive o transporte destes produtos.

7 dicas para o manejo de plantas daninhas no período seco

Dica 1: 

Mesmo com o tempo seco, se possuir plantas daninhas de difícil controle em sua área (como buva e amargoso), faça uma aplicação no começo da entressafra. Assim, você pega essas daninhas em estádio inicial e trava seu crescimento.

Dica 2:

Aplique herbicidas pré-emergentes para controlar os primeiros fluxos de emergência no início da chuva.

Dica 3: 

Utilize uma boa tecnologia de aplicação e mantenha seu pulverizador sempre calibrado.

Dica 4: 

Tente aplicar nos períodos mais favoráveis do dia, ainda que seja de madrugada.

Atenção! Produtos que precisam de luz para agir (ex: paraquat e saflufenacil) podem ter um melhor efeito se aplicados de madrugada, mas o dia seguinte não pode amanhecer nublado!

Dica 5: 

Espere de dois a três dias após uma chuva para que as plantas daninhas se restabeleçam antes de uma aplicação.

Dica 6: 

Evite volumes de calda reduzidos: utilize no mínimo 100 L ha-1. Quando aplicamos herbicidas de contato, este volume deve ser ainda maior, sendo indicado no mínimo 200 L ha-1.

Dica 7:  

Ao dessecar forrageiras como Brachiaria, tenha certeza que não haverá rebrota ou que a matéria morta não prejudicará a soja (estiolamento e alelopatia).

Herbicidas aplicados na pré-emergência da soja

Diclosulam 

Quando aplicar: herbicida com ação residual para controle de banco de sementes, utilizado nas primeiras aplicações do manejo outonal.

Espectro de controle: ótimo controle de folhas largas (ex: buva) e algumas gramíneas(ex: capim-amargoso).

Dosagem recomendada: 29,8 a 41,7 g ha-1.

Pode ser misturado com: associado a herbicidas sistêmicos (ex: glifosato e 2,4 D).

Flumioxazin 

Quando aplicar: herbicida com ação residual para controle de banco de sementes. Utilizado nas primeiras aplicações do manejo outonal ou no sistema de aplique plante da soja.

Espectro de controle: ótimo controle de folhas largas e algumas gramíneas.

Dosagem recomendada: 40 a  120 g ha-1.

Pode ser misturado com: herbicidas sistêmicos (ex: glifosato; 2,4 D e imazetapir).

Sulfentrazone

Quando aplicar: herbicida com ação residual para controle de banco de sementes, utilizado na primeira aplicação do manejo outonal.

Espectro de controle: ótimo controle de plantas daninhas de folhas largas e bom controle de algumas gramíneas.

Dosagem recomendada: 0,5 L ha-1, pois apresenta grande variação na seletividade de cultivares de soja.

Pode ser misturado com: herbicidas sistêmicos (ex: glifosato; 2,4 D; chlorimuron e clomazone).

Recomendado principalmente para áreas onde também ocorre infestação de tiririca!

Metsulfuron

Quando aplicar: herbicida com ação residual para controle de banco de sementes, utilizado na primeira aplicação do manejo outonal.

Espectro de controle: ótimo controle de plantas daninhas de folhas largas (picão preto, leiteiro, buva e guanxuma).

Dosagem recomendada: 3,0 a 4,0 g ha-1.

Pode ser misturado com: herbicidas sistêmicos (ex: glifosato e 2,4 D).

Cuidados: deixe um intervalo de no mínimo 60 dias, entre a aplicação do herbicida e a semeadura de soja.

S-metolachlor 

Quando aplicar: herbicida com ação residual utilizado no sistema de aplique plante da soja.

Espectro de controle: gramíneas de semente pequena (ex: capim-amargoso,capim-pé-de-galinha).

Dosagem recomendada:1,5 a 2,0 L ha-1.

Pode ser misturado com: herbicidas sistêmicos (ex: glifosato).

Cuidados: não deve ser aplicado em solos arenosos. O solo deve estar úmido, com perspectivas de chuva.

Trifluralina 

Quando aplicar: herbicida com ação residual, utilizado na primeira aplicação do manejo outonal.

Espectro de controle: gramíneas de semente pequena (ex: capim-amargoso e capim-pé-de-galinha).

Dosagem recomendada: 1,2 a 4,0 L ha-1 dependendo da planta daninha a ser controlada e nível de cobertura do solo.

Pode ser misturado com: herbicidas sistêmicos (ex: glifosato e graminicidas).

Cuidados: deve ser aplicado em solo úmido e livre de torrões. Formulações antigas têm problemas com fotodegradação (necessidade de incorporação).

Eficiência muito reduzida em solo com grande quantidade de palha ou durante grande período de seca.

Clomazone

Quando aplicar: herbicida com ação residual no sistema de plante aplique.

Espectro de controle: gramíneas de semente pequena (ex:capim-colchão, capim-pé-de-galinha) e algumas folhas largas de sementes pequena.

Dosagem recomendada: 1,6 a 2,0 L ha-1 dependendo da planta daninha a ser controlada e nível de cobertura do solo.

Pode ser misturado com: herbicidas sistêmicos (ex: glifosato) e sulfentrazone.

Cuidado com deriva em culturas suscetíveis vizinhas!

Herbicidas aplicados na pós-emergência da soja

Cloransulam

Quando aplicar: herbicidas para controle de folhas largas na soja. Geralmente utilizado para segurar o desenvolvimento de buva mal dessecada na entressafra.

Espectro de controle: folhas largas (ex: picão preto, corda de viola, trapoeraba e buva).

Dosagem recomendada: 23,8 a 47,6 g ha-1, dependendo da planta daninha a ser controlada e estádio de desenvolvimento.

Pode ser misturado com: herbicidas sistêmicos (ex: glifosato).

Cuidado com o efeito “guarda-chuva” na soja: o produto deve chegar no alvo. 

Clethodim

Quando aplicar: herbicidas com ótimo controle de gramíneas em estádio inicial: 2 a 4 perfilhos. Pode ser usado no manejo sequencial de touceiras.

Espectro de controle: gramíneas (ex: capim-colchão, capim-pé-de-galinha e capim-amargoso) e milho tiguera até v4.

Dosagem recomendada: 0,6 a 1,0 L ha-1, dependendo da planta daninha a ser controlada e estádio de desenvolvimento.

Pode ser misturado com: herbicidas sistêmicos (ex: glifosato).

Cuidados: possui antagonismo com 2,4D. Quando misturar, aumente em 20% a dose de clethodim.

Além deste graminicida, existem vários outros produtos no mercado que possuem variação de eficiência, dependendo da planta daninha. O haloxyfop, por exemplo, é mais eficiente no controle de milho tiguera mais desenvolvido.

Glifosato

Quando aplicar: herbicida não seletivo (amplo espectro) utilizado apenas emsoja RR.

Espectro de controle: folhas largas e folhas estreitas.

Dosagem recomendada: 2,0 a 6,0 L ha-1, dependendo da planta daninha a ser controlada e estádio de desenvolvimento.

Pode ser misturado com: herbicidas sistêmicos e pré-emergentes (ex: Clethodim e Cloransulam).

Cuidados: existem muitas plantas daninhas com resistência, porém, é uma excelente ferramenta de manejo para as demais daninhas.

É importante que a recomendação de produtos fitossanitários seja feita por um(a) agrônomo(a), mas o produtor deve estar sempre atento a novas informações para auxiliar em sua recomendação!

Conclusão

Neste artigo, vimos as principais dicas para um manejo eficiente em épocas secas.

Apresentamos as principais ferramentas de controle químico que podem ser utilizadas na cultura e seu posicionamento correto para não ocasionar danos ao cultivo.

Com essas informações, tenho certeza que você irá realizar um bom manejo de herbicidas para soja!


SEGURO AGRÍCOLA
Com a necessidade do produtor rural ter um seguro de lavoura sem burocracia, de fácil contratação e que protegesse seus altos investimentos contra intempéries climáticas, a SEGURAGRO inovou os serviços de atendimento e assessoria na contratação de seguro agrícola de lavouras para culturas de soja, milho, trigo, feijão, café, cana-de-açúcar e outras culturas.

SAIBA MAIS SOBRE SEGUROS AGRÍCOLAS

Fonte: Aegro