fbpx

Ferrugem pode mudar o calendário de plantio da soja

Estudo da Fundação Rio Verde, juntamente com professor doutor Erlei Melo Reis, que aponta problemas na atual calendarização de plantio, foi apresentado pelo presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Antonio Galvan, à ministra de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina.

Conforme Galvan, o resultado da pesquisa mostrou que a calendarização trouxe graves consequências fitossanitárias, especialmente devido a ferrugem. E que a causa dessas ocorrências de ferrugem se devem ao atual calendário de plantio. “Estivemos mostrando o trabalho técnico e científico da Fundação Rio Verde, que aponta o grave problema fitossanitário que a calendarização, com término de plantio no dia 31 de dezembro, trouxe para produção de soja de Mato Grosso. Estamos cobrando tanto o Ministério, quanto as autoridades estaduais”, disse Galvan.



Ainda segundo o presidente da Aprosoja Mato Grosso, durante a reunião, a ministra Tereza Cristina também recebeu um ofício, assinado por todas as Aprosojas do Brasil, que trata da preocupação dos produtores quanto ao uso do herbicida Dicamba.

“Entregamos também um ofício que fala sobre o Dicamba, apontando a nossa preocupação enquanto produtores, sobre a volatilidade do produto. Nossa preocupação é principalmente sobre as consequências que essa nova tecnologia pode causar em algumas produções, como da soja convencional, por exemplo. Bem como outras culturas, a exemplo do hortifruti granjeiro”, explicou o presidente.


SEGURO AGRÍCOLA
Com a necessidade do produtor rural ter um seguro de lavoura sem burocracia, de fácil contratação e que protegesse seus altos investimentos contra intempéries climáticas, a SEGURAGRO inovou os serviços de atendimento e assessoria na contratação de seguro agrícola de lavouras para culturas de soja, milho, trigo, feijão, café, cana-de-açúcar e outras culturas.

SAIBA MAIS SOBRE SEGUROS AGRÍCOLAS

Fonte: Minuto MT