fbpx

FAO ALERTA PARA AUMENTO DA INSEGURANÇA ALIMENTAR GLOBAL

A edição mais recente do “Estado de Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo” estimou que o número de pessoas com fome no mundo aumentou cerca de 10 milhões no ano passado, deixando o mundo “fora de controle” para alcançar o objetivo da Organização das Nações Unidas de acabar com a insegurança alimentar e a desnutrição até 2030, informa a agência “Xinhua”.

O relatório, divulgado nesta última segunda-feira (13) pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), sediada em Roma, estimou que quase 690 milhões de pessoas passaram fome em 2019, um aumento de 10 milhões em comparação com 2018 e quase 60 milhões em relação aos cinco anos anteriores.

O relatório não abrangeu 2020, citando informações preliminares mostrando que o surto global de coronavírus está “intensificando as vulnerabilidades e inadequações dos sistemas alimentares globais”. Por causa da pandemia, segundo o relatório, o número de pessoas que passam fome no mundo pode aumentar em mais 130 milhões até o final deste ano.



O relatório disse que a tendência da piora deixa o mundo “fora de controle para alcançar o objetivo” de acabar com “a fome, a insegurança alimentar e todas as formas de desnutrição” até 2030. Essas metas fazem parte dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável acordados pelos membros da ONU em 2015.

O relatório disse que a diminuição da pobreza na China, que chamou de “maior fator único” na redução da fome global na última década, continuou, mas foi compensada pelas condições em outras partes do mundo.

O relatório abrangente de segurança e nutrição alimentar foi produzido pela FAO em colaboração com quatro outras entidades da ONU: o Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e o Programa Mundial de Alimentos (PMA), como FAO, FIDA e PMA estão sediados em Roma, bem como o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), sediado em Nova York, e a Organização Mundial da Saúde (OMS), sediada em Genebra. A FAO é chefiada por Qu Dongyu, que havia sido vice-ministro da Agricultura e Assuntos Rurais da China.

Fonte: DATAGRO