fbpx

Falta de acordo com chineses derruba soja nos EUA

O preço da soja na Bolsa de Cereais de Chicago registrou na quarta-feira (16.10) baixa de 6,00 pontos no contrato de Novembro/19, fechando em US$ 9,28 por bushel. Os demais vencimentos em destaque da commodity na CBOT também fecharam a sessão com desvalorizações entre 3,75 e 6,25 pontos.

Os principais contratos futuros tiveram mais uma sessão de baixa no mercado norte-americano da soja, sem fatos novos na Guerra Comercial. “A ausência de avanço nas negociações entre China e Estados Unidos voltou a apagar o otimismo. Neste sentido o presidente norte-americano indicou que não assinaria o possível acordo antes de se reunir com seu par asiático na cúpula da APEC, no Chile”, aponta a T&F Consultoria Agroeconômica.



De acordo com a ARC Mercosul, o movimento de baixa foi mantido para a soja e milho aqui em Chicago: “A falta de novidades paira sobre o mercado e a colheita avança nos Estados Unidos frente a um cenário climático benéfico. Fontes da ARC na China nos informaram que importadores privados chineses reuniram com o Governo do país para discutir a viabilidade do pacto verbal firmado na semana passada na compra de grandes volumes de produtos agrícolas estadunidenses”.

“Os encontros encerraram sem nenhuma resolução sobre a tentativa de ‘reconciliação’ entre os EUA e China. Até então, o fim da Guerra Comercial não passa de promessas políticas. A colheita norte-americana de soja segue atrasada com apenas 26% colhido até o momento, contra 38% em 2018, 47% em 2017 e 47% da média dos últimos 5 anos. Ainda não há riscos de geadas/nevascas em outubro, entretanto o clima será um agravante nos talhões deixados para novembro”, concluem os analistas da ARC.


SEGURO AGRÍCOLA
Com a necessidade do produtor rural ter um seguro de lavoura sem burocracia, de fácil contratação e que protegesse seus altos investimentos contra intempéries climáticas, a SEGURAGRO inovou os serviços de atendimento e assessoria na contratação de seguro agrícola de lavouras para culturas de soja, milho, trigo, feijão, café, cana-de-açúcar e outras culturas.

SAIBA MAIS SOBRE SEGUROS AGRÍCOLAS

Fonte: Agrolink