fbpx

Entenda o monitoramento do percevejo barriga-verde

O percevejo barriga-verde – Diceraeus melacanthus tem ocorrido em altas populações nas últimas safras de milho em todas as regiões do estado do Mato Grosso.  Essa espécie é uma praga importante para a cultura do milho e pode ocasionar perdas de produção.

Os danos ocorrem na fase inicial de desenvolvimento da cultura, podendo causar perdas parciais ou totais das lavouras. Tanto adultos como ninfas causam danos ao introduzirem seus estiletes na base das plantas, através da bainha das folhas, atingindo as folhas internas. Após a abertura, estas folhas apresentam vários furos de distribuição simétrica no limbo foliar, apresentando halos amarelados ao redor dos furos.

Além disto, as plantas podem apresentar deformação que pode leva-las a morte e/ou a intensos perfilhamentos improdutivos. O controle pode ser feito com o tratamento de sementes com inseticidas sistêmicos ou através de pulverizações logo após a emergência das plantas quando constado a presença dos insetos.

De acordo com as informações divulgadas pela Fundação MT, é necessário estar atento a essa população no sistema de produção soja-milho, pois os percevejos irão se desenvolver durante o período da cultura da soja, onde podem ocasionar danos aos grãos e sementes e, além disso aumentar a população o que acarretará danos ao milho nos primeiros dias após a emergência.

O monitoramento da população de percevejo barriga-verde na cultura da soja e seu controle são importantes para se ter sucesso de controle na cultura do milho, pois baixas populações detectadas na cultura da soja poderão ocasionar problemas sérios e comprometer o desenvolvimento do milho. O acompanhamento da lavoura diariamente possibilita a identificação da praga, qual espécie, o tamanho da população e a forma mais eficiente para seu manejo.

Também, é importante ter um bom controle de plantas daninhas nas áreas, pois essas são hospedeiras para esse inseto e os mantêm nas áreas. A proteção às plantas de milho para essa praga depende de controle na cultura da soja com produtos químicos como neonicotinoides + Piretroides; organofosforados; piretroides.

Para a cultura do milho é importante a realização de tratamento de sementes com produtos neonicotinoides (Clotianidina, Tiametoxan, Imidaclopride) e aplicações foliares no início do desenvolvimento da cultura, sendo aos 3 e 7-10 dias após a emergência ou até o milho atingir o estágio V4. As aplicações posteriores dependerão da pressão da população e do desenvolvimento da cultura.

Fonte: Portal DBO