fbpx

Como prevenir o ataque de pragas antes do fechamento das entrelinhas?

Diversas pragas podem ocorrer na soja desde a semeadura até o início da fase reprodutiva, quando ocorre então o fechamento das entrelinhas.

Neste período, além do monitoramento, algumas medidas podem ser tomadas para prevenir que as pragas atinjam o Nível de Dano Econômico (NDE).

Uma das principais medidas é o tratamento de sementes, que fornece proteção às plantas com um período residual de até 30 dias após tratamento. Dentre os inseticidas, os pertencentes às classes dos pirazois, neonicotinoides e carbamatos são os principais utilizados na cultura para tal finalidade, com ação sobre pragas como a lagarta-elasmo, lagarta-militar, lagarta helicoverpa, lagarta-da-soja, corós, torrãozinho, vaquinhas, tamanduá-da-soja, cupins, piolho-de-cobra, entre outras.



Após o tratamento de sementes e a emergência das plântulas, o manejo passa a ser curativo e não mais preventivo. Para tanto, o monitoramento deve ser realizado regularmente, visando acompanhar o desenvolvimento da população de pragas para que, quando/ou o Nível de Ação (NA) seja atingido, o produtor tome medidas necessárias para controlar a praga. Dentre essas medidas, destaca-se a aplicação de inseticidas, buscando sempre a rotatividade de grupos químicos e modos de ação, garantindo a eficácia dos produtos no campo e evitando a seleção de pragas resistentes. Além disso, a utilização de produtos seletivos a organismos não-alvo, como inimigos naturais, colabora com a manutenção da população da praga abaixo do NDE, favorecendo a mortalidade natural pela predação e parasitismo.

Outra maneira de evitar que a população de pragas atinja o NDE é a utilização do controle biológico. Atualmente, já se encontra registrado para a cultura da soja o parasitoide de ovos Trichogramma pretiosum e inseticidas microbiológicos, a exemplo de Bacillus thuringiensis e Baculovirus, para controle de lepidópteros como lagarta-falsa-medideira, lagarta-militar e lagarta-da-soja. Além de Beauveria bassiana para controle de insetos sugadores como a mosca-branca, praga de destaque na cultura nos últimos anos e de difícil controle.

A associação de táticas de controle visa o equilibro ecológico no agroecossistema, mantendo as populações de pragas abaixo do NDE, desta forma, preconizar o Manejo Integrado de Pragas (MIP) funciona como medida preventiva ao ataque de pragas.

Lembre-se sempre que a melhor maneira de chegar ao fechamento de entrelinhas com poucos danos na cultura pela prevenção com o tratamento de sementes e o controle de pragas que surgirem, com base na amostragem, nos períodos iniciais da cultura!

Por: Fernando Henrique Iost Filho
Engenheiro Agrônomo graduado pelo Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM-Uberaba), realizando intercâmbio entre 2014/15 na Universidade da California (UCDavis). Mestre em Entomologia pela Universidade de São Paulo (USP-ESALQ). Atualmente Doutorando em Entomologia e cursando MBA em Agronegócios na USP-ESALQ

Fonte: Basf