Quarta-Feira, 20 de Junho de 2018
Agronegócio
Glifosato não será proibido no Brasil, pelo menos até 2019
17/08/2017
O herbicida Glifosato, agrotóxico com maior volume de vendas no Brasil, não vai ser banido do mercado nacional até 2019. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) firmou essa data como meta para concluir a análise toxicológica do produto. Depois disso, ainda ouvirá a sociedade sobre proibir ou manter o defensivo em uso no país. A reavaliação se arrasta desde 2008 no órgão e causa grande apreensão e incerteza no setor produtivo agrícola. Será um processo de mais de uma década e que pode se arrastar por mais tempo ainda. Estudos contratados não comprovam a nocividade à saúde humana, mesmo assim a indefinição continua.

A Anvisa publicou recentemente no site um material para esclarecer a demora para tomada de decisão sobre o Glifosato. Segundo o órgão, há divergência de opinião entre autoridades técnicas no mundo (o que exige cuidado redobrado ao lidar com o tema) e cita os casos da Europa e dos Estados Unidos, que também mantêm cautela e constante análise do produto. “Mesmo que se conclua que ele não é carcinogênico e que não possui qualquer impeditivo de registro segundo a legislação brasileira, é importante avaliar a necessidade de medidas de restrição de uso com base em outros aspectos toxicológicos além da carcinogenicidade. É importante registrar que não só no Brasil, mas em todo o mundo, as reavaliações de ingredientes ativos são complexas e, por isso, demandam bastante tempo”, diz o informe do presidente da agência e relator da reavaliação, Jarbas Barbosa.

Desde 2008, a Anvisa contratou diversos estudos para investigar os aspectos toxicológicos do Glifosato. Em 2013, a Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz) concluiu que a manipulação do produto não é capaz de causar câncer nos seres humanos e não indicou a proibição do uso dele no país. Em 2015, a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC) afirmou o contrário, que o produto seria nocivo, mas a Autoridade Europeia para Segurança dos Alimentos (EFSA) revisou a análise e manteve posição de que não há evidência suficiente para classificar o defensivo como carcinogênico.

A Anvisa ainda realizou um painel técnico em 2015 e, posteriormente, contratou uma especialista para estudar mais uma vez o assunto. O parecer técnico resultante foi encaminhado à Anvisa em julho de 2016 e também colocou o Glifosato como não carcinogênico.
Além disso, existem outros três pareceres técnicos do próprio órgão sobre esse ingrediente, o mais recente de junho deste ano. Nenhum deles sugere a proibição. Mas os estudos continuam. E apreensão dos produtores brasileiros também.
FONTE: Canal Rural
NOTÍCIAS RELACIONADAS
VER TODAS

Cadastre-se e receba gratuitamente as atualizações do Foco Rural em seu e-mail

Após o preenchimento de seu nome e e-mail, clique no botão CADASTRAR. Você receberá um e-mail para confirmação do cadastro. Caso não receba o e-mail, verifique sua Caixa de Spam. O recebimento de nossa newsletter depende da sua confirmação. Confira nossos Termos de Uso.


Cotações de Commodities fornecidas por Investing.com Brasil.
® 2011-2015. Foco Rural – O homem do campo bem informado. Todos os direitos reservados.
DESENVOLVIDO POR:
X
Enviar notícia por e-mail
*Meu Nome:
*E-mail Rementente:
*E-mail Destinatário: