Quarta-Feira, 19 de Setembro de 2018
Aves
A receita dos gaúchos que driblaram a crise
27/07/2017
Terceira maior cooperativa do Rio Grande do Sul, a Languiru, de Teutônia, cresceu e distribuiu lucros em um dos piores anos para a avicultura.

O que fazer quando o principal insumo para criar frangos bate na casa dos R$ 60 a saca, deixando produtores e agroindústrias desesperados? Olhando pelo retrovisor, a crise do milho em 2016, além de provocar insolvências, fechamento de aviários e demissões em massa, também revelou a força das cooperativas para proteger seus associados nos momentos mais difíceis.

A Cooperativa Languiru, localizada em Teutônia, no Rio Grande do Sul, anteviu em seu planejamento estratégico, um ano antes, que a coisa ficaria feia em 2016. E resolveu reestruturar todo o modelo de negócios. “Nós tínhamos um mix de cerca 500 produtos oriundos de quatro plantas. Reduzimos para 230, com base nas margens e nos volumes. Com isso conseguimos aliviar nossa folha de pagamento e focar naquilo que realmente trazia resultado”, diz Dirceu Bayer, presidente da Languiru.

A cooperativa, que conta com 6 mil associados, 350 só produzindo frango, também apostou na produtividade. “Nós remuneramos melhor pela eficiência das granjas. E deixamos de trabalhar com produtores desqualificados”, revela Bayer. “O nosso associado, em todo o período, não sofreu o impacto da crise. Não deixamos isso acontecer. Ela chegou à cooperativa, repercutiu muito aqui, mas não deixamos que fosse para o campo. Os lotes com as aves chegaram normalmente. E nós remuneramos nossos associados com 10% e 15% a mais que outros players do mercado”.

A credibilidade acumulada ao longo de 62 anos de existência da cooperativa também foi decisiva para não deixar secar a torneira dos agentes financeiros, no auge da crise econômica. Resultado: remando contra a maré, a Languiru cresceu 12% em 2016. A avicultura, carro-chefe da cooperativa, mesmo com o preço do milho nas alturas, respondeu por 27% do faturamento de R$ 1,260 bilhão.

A aposta estratégica correta, lá atrás, continua gerando resultados animadores. Somente no primeiro semestre deste ano a cooperativa teve um retorno R$ 25 milhões maior do que no mesmo período de 2016. “E o segundo semestre costuma ser melhor que o primeiro. Isso nos deixa muito animados”, celebra Bayer.
FONTE: Gazeta do Povo
NOTÍCIAS RELACIONADAS
VER TODAS

Cadastre-se e receba gratuitamente as atualizações do Foco Rural em seu e-mail

Após o preenchimento de seu nome e e-mail, clique no botão CADASTRAR. Você receberá um e-mail para confirmação do cadastro. Caso não receba o e-mail, verifique sua Caixa de Spam. O recebimento de nossa newsletter depende da sua confirmação. Confira nossos Termos de Uso.


Cotações de Commodities fornecidas por Investing.com Brasil.
® 2011-2015. Foco Rural – O homem do campo bem informado. Todos os direitos reservados.
DESENVOLVIDO POR:
X
Enviar notícia por e-mail
*Meu Nome:
*E-mail Rementente:
*E-mail Destinatário: