Quarta-Feira, 17 de Outubro de 2018
Sustentabilidade e Meio Ambiente
Qualidade e sanidade da cama de aviário
05/06/2018
A cama de aviário tem uma série de funções importantes, tais como ser altamente absorvente, favorecendo a retenção da água das excretas; diluir as excretas, reduzindo o contato das aves com esta fonte de contaminação; isolar as aves, especialmente quando jovens, do frio induzido pelo piso; proteger as aves do contato com uma superfície dura e desconfortável. Por isto, a escolha de um material adequado para a cama é fundamental.

Uma má qualidade de cama e um manejo inadequado podem ser as causas da emergência de doenças infectocontagiosas, como também gerar aumento dos custos de produção devido ao aumento de refugos, condenações de carcaças, necessidades de tratamentos terapêuticos, baixo desempenho zootécnico e aumento de riscos para veiculação de patógenos para o consumidor. A presença de bactérias na cama é inevitável, embora a ocorrência de espécies bacterianas possa ser ligeiramente diferente quando se analisa caso a caso, gerando camas com uma grande variedade de organismos e com uma concentração alta de bactérias viáveis. A umidade está entre os fatores mais importantes sobre a qualidade da cama. Os fatores que afetam a umidade da cama são temperatura, ventilação, bebedouros, nebulizadores e sistemas de resfriamento evaporativo mal regulados, excesso de sal na dieta.

Cuidados com a cama
Com o aumento do número de aves/m2, o consumo de água aumenta e a deterioração da cama pode ser antecipada, quando sua altura convencional é mantida. Assim, para lotes criados no inverno a cama deve ter 10 ou mais cm de espessura por causa da alta umidade. Para o verão, a espessura deve ser de pelo menos 15cm quando as densidades são de 14 ou mais aves/m2.

A reutilização da cama não pode ser feita sem levar em consideração a presença de bactérias oriundas do lote anterior. A substituição sumária da cama a cada lote teria um grande impacto sobre o ambiente natural e no custo de produção. Há, portanto, a necessidade de esforços por parte da avicultura organizada para reduzir os impactos negativos da reutilização da cama, sem, porém, aumentar demasiadamente os custos de produção e a utilização de madeira, como aconteceria com a substituição da cama a cada lote.

Além da carga microbiológica, a cama reutilizada pode liberar produtos químicos, como a amônia, que são potencialmente nocivos às aves. Os tratamentos mais utilizados no Brasil são a fermentação e a adição de cal hidratada na cama. A fermentação da cama dentro do galpão é utilizada como uma forma de permitir que bactérias termófilas inativem os patógenos, sobretudo as Enterobactérias. A cama fica amontoada durante o período de vazio da instalação, em torno de 10 a 12 dias.

Entre os problemas decorrentes da presença de bactérias em altas concentrações podem surgir contaminações ao ambiente natural, infecções nos frangos e maior contaminação do trato digestório por bactérias indesejáveis, resultando em maior contaminação dos produtos oriundos do abatedouro. A presença frequente de patógenos na cama, especialmente da família das Enterobactérias como (Salmonellas spp, Escherichia coli) e bactérias zoonóticas (Salmonellas spp, E. Coli e Campilobacter spp) como em geral, é o que gera preocupações com respeito a possíveis problemas causados no lote de frangos e eventualmente na saúde do consumidor.

É importante considerar que a fermentação da cama não destrói substâncias químicas como inseticidas, herbicidas, antibióticos e quimioterápicos, micotoxinas e toxina botulínica, portanto quando da suspeita de intoxicações, a cama deve ser descartada. Na reutilização de cama devemos considerar que o intervalo entre lotes deva ser superior a 10 dias, ideal 14 dias.

Reutilização da cama
Outro importante fator envolvido na disseminação de Salmonella spp. e Clostridium spp. é a cama do aviário, que vem a ser uma cobertura de aproximadamente 5 cm, disposta sobre o piso do galpão, feita a partir de materiais como raspas ou serragem de pinho, eucalipto, madeira de lei, casca de arroz, bagaço de cana, sabugo de milho ou palha. A cama de aviário pode ser renovada a cada ciclo de produção ou reutilizada entre quatro e seis lotes de frangos, quando cada lote fica alojado por aproximadamente 45 dias, assim, de modo geral, a densidade situa-se entre 12 e 15 aves por m2 de aviário.

Para diminuir os custos de produção e o impacto ambiental, um manejo comumente utilizado nas criações de frangos é a reutilização da cama por um período variável de cinco até seis lotes consecutivos. No entanto, o grande problema em relação ao período ou número de lotes de reutilização está mais relacionado ao aspecto sanitário, não sendo recomendável reutilizar a cama quando o lote anterior passou por algum desafio sanitário relevante. Nos casos em que o aviário não passou por um período de desafio sanitário, a reutilização da cama poderá ser realizada desde que o seu tratamento seja adequado a fim de diminuir a população bacteriana presente, inclusive de possíveis bactérias patogênicas.

A abundante microbiota da cama de aviário tem como principal origem a excreta das aves, incluindo bactérias do grupo das Enterobactérias e outras bactérias com potencial zoonótico. A exposição das aves a bactérias indesejáveis através do contato contínuo com a cama contribui para a maior contaminação do trato digestivo e, mesmo quando não causam problemas sanitários a estas, podem contaminar as carcaças pela abertura acidental do inglúvio ou dos intestinos por ocasião do abate, o que caracteriza sua implicação em segurança dos alimentos, caso o produto seja contaminado.

Amônia
No verão, o uso de nebulizadores para arrefecimento da temperatura do ar no interior do galpão pode, quando mal regulado, molhar a cama e causar seu empastamento. No inverno, na tentativa de manter mais alta a temperatura, é comum diminuir muito a ventilação, o que leva ao excesso de umidade e de amônia no interior do galpão.

O gás amônia é incolor e irrita as mucosas não sendo percebido pelo olfato humano em níveis menores que 20 ppm. Sua origem está na decomposição do ácido úrico presente nas excretas das aves e de acordo com o protocolo de boas práticas de criação elaborado pela União Brasileira de Avicultura níveis de 25 ppm são o máximo permitido, sendo que níveis acima ocasionam perdas de peso médio de 90 g. por ave durante as sete semanas de alojamento.

Concentrações de amônia no ar acima de 60 ppm tornam as aves mais suscetíveis a doenças respiratórias, aumentam os riscos de infecções secundárias e afetam os processos fisiológicos de trocas gasosas. O gás ainda causa estresse aos frangos, o que leva à perda de peso e pode acometer a morte das aves. Um valor considerado acima do recomendado, que deve ser inferior a 20 ppm.

pH
Outro fator importante que também regula a volatização da amônia é o pH, que é minimizada com pH abaixo de 7,0. O pH é um indicador de elétrons dissociáveis podendo ser, até certo ponto, manipulado. O pH da cama pode variar desde o levemente ácido (pH 6,0) até francamente alcalino (pH 9,0). O pH da cama pode ser elevado ou reduzido a níveis que dificultam a multiplicação de bactérias. Essa variação da uma capacidade de multiplicação da maioria das bactérias de interesse na produção de frangos de corte, incluindo patógenos como Salmonellas e Campylobacter. No manejo da cama de frango, a diminuição do pH é mais utilizada como método de redução do impacto bacteriano, uma vez que também reduz a volatilização da amônia.

Insetos
Os insetos também são um grande problema para a produção de frangos de corte, uma vez que são vetores de doenças e muitas vezes afetam o desempenho das aves. Certamente o Alphitobius diaperinus, conhecido como cascudinho, é atualmente um dos grandes problemas da avicultura mundial, sendo também conhecido como praga secundária de derivados de grãos armazenados. Adaptou-se muito bem às condições dos aviários, onde se alimenta de ração, fezes e de animais mortos. Este inseto desempenha um papel importante na transmissão de numerosos agentes patogênicos, como vírus, fungos, protozoários e helmintos. Além disso, o besouro pode servir como fonte de infecção para Campylobacter spp., Escherichia coli, Salmonella spp. e várias outras bactérias.

O A. diaperinus causa prejuízos na criação de frangos de corte e perdas na condição sanitária da avicultura em todo o mundo. O contato direto do inseto com a cama dos aviários, assim como o hábito desse de se alimentar de aves moribundas e mortas, o faz um veiculador de diversos patógenos aviários. O A. diaperinus causa desvio alimentar com diminuição no desempenho, devido ao comportamento das aves de ciscar principalmente na fase inicial, fazendo com que substituam a ração balanceada por estágios larvais e adultos de A. diaperinus presentes na cama.

Para o controle do A. diaperinus, o habitat deve ser transformado em impróprio à sua proliferação. Práticas como estocar sobra de ração fora do local de criação, limpezas regulares dos silos de ração, retirada imediata de aves mortas, bem como adotar um manejo sanitário de controle desses insetos nos intervalos entre lotes são algumas estratégias e artifícios para minimizar e/ou controlar a ocorrência desses insetos nos aviários.

Considerações finais
Os avicultores e as empresas integradoras devem estar sempre atentos ao mercado consumidor, adequando sua produção às exigências e adaptando-se aos métodos de controle nacionais e internacionais. As condições de sanidade e bem-estar animal devem ser priorizadas para que se tenha um produto de excelente qualidade. Dessa forma, qualquer investimento realizado para manter a qualidade ambiental gera ao produtor bons resultados.
FONTE: ESALQ
NOTÍCIAS RELACIONADAS
VER TODAS

Cadastre-se e receba gratuitamente as atualizações do Foco Rural em seu e-mail

Após o preenchimento de seu nome e e-mail, clique no botão CADASTRAR. Você receberá um e-mail para confirmação do cadastro. Caso não receba o e-mail, verifique sua Caixa de Spam. O recebimento de nossa newsletter depende da sua confirmação. Confira nossos Termos de Uso.


Cotações de Commodities fornecidas por Investing.com Brasil.
® 2011-2015. Foco Rural – O homem do campo bem informado. Todos os direitos reservados.
DESENVOLVIDO POR:
X
Enviar notícia por e-mail
*Meu Nome:
*E-mail Rementente:
*E-mail Destinatário: