Terça-Feira, 16 de Outubro de 2018
Agronegócio
Hora de vender milho pode passar rápido
02/04/2018
Embora os vendedores estejam fazendo pressão de alta.
O Índice do Cepea das cotações do milho na B3 (antiga Bovespa) voltaram a cair forte no fechamento da semana (-0,98%), enquanto a queda no Índice de Campina foi ainda maior, de 1,25%. Na visão da T&F Consultoria Agroeconômica, essa tendência pode se consolidar nos próximos dias e levar consigo as melhores oportunidades de venda.

“Isto significa que, embora os vendedores estejam fazendo pressão de alta, permanecendo fora de mercado ao dar mais atenção à colheita da soja, na realidade, os preços do milho estão caindo e os agricultores podem perder uma excelente oportunidade de vender a bons preços se não tomarem decisões imediatamente”, afirma o analista Luiz Fernando Pacheco.

No RS os preços pedidos pelos vendedores se situam entre R$ 40-42/saca FOB, mas os compradores estão retraídos. Em SC os preços continuam altos, também ao redor de R$ 40,00/saca, porque o estado tem um déficit de 2,5 milhões de tons e o milho do MT está muito caro, devido às indústrias de etanol e aos aumentos dos fretes. Então, milho importado da Argentina e do Paraguai se tornam alternativas mais viáveis.

No PR os preços estão ao redor de R$ 41,00 CIF fábricas de ração em Ponta Grossa, embora haja milho suficiente. O estado, porém, deixou de plantar 263 mil hectares de milho safrinha, o que implica uma redução de 1,0 milhão de tons na colheita.

No MS os preços claramente estão caindo: passaram de R$ 38,00/saca há duas semanas, para R$ 36,00 na semana passada e agora estão em média entre R$ 31,00 e R$ 33,00 (compradores) e R$ 35,00 (vendedores).

Em SP também os preços estão caindo: pela segunda vez consecutiva, a saca de milho registra desvalorização no acumulado da semana. “No início da cadeia, todavia, produtores continuam retraídos, dificultando os negócios e garantindo certa sustentação aos preços. Frequentemente, estes optam pelos negócios com soja, cujas referências atingiram patamares não observados desde 2016. Boa parte, inclusive, espera que o milho registre altas significativas a partir de maio, apoiados na tríade exportadora (taxa de câmbio alta, quebra na Argentina e guerra comercial China x EUA)”, conclui Pacheco.
FONTE: Agrolink
NOTÍCIAS RELACIONADAS
VER TODAS

Cadastre-se e receba gratuitamente as atualizações do Foco Rural em seu e-mail

Após o preenchimento de seu nome e e-mail, clique no botão CADASTRAR. Você receberá um e-mail para confirmação do cadastro. Caso não receba o e-mail, verifique sua Caixa de Spam. O recebimento de nossa newsletter depende da sua confirmação. Confira nossos Termos de Uso.


Cotações de Commodities fornecidas por Investing.com Brasil.
® 2011-2015. Foco Rural – O homem do campo bem informado. Todos os direitos reservados.
DESENVOLVIDO POR:
X
Enviar notícia por e-mail
*Meu Nome:
*E-mail Rementente:
*E-mail Destinatário: