Domingo, 21 de Janeiro de 2018
Pragas e Doenças
Soja entra em fase que favorece incidência de percevejos, saiba o que fazer
14/12/2017
Pesquisadora da Fundação Mato Grosso explica como evitar e combater estes insetos, que são difíceis de controlar.

O desenvolvimento da soja está dentro do esperado na região sudeste de Mato Grosso. Mas, a preocupação com uma praga em especial, o percevejo, está unindo produtores e pesquisadores na busca de uma solução.

Nesta propriedade de Rondonópolis (MT), onde trabalho o técnico agrícola, Everton Mann Appelt, toda a soja cultivada nesta safra já está germinada. A escolha da variedade mais precoce é para, posteriormente, aproveitar a janela para fazer a segunda safra de milho e braquiária, usada para a rotação de culturas. Mas, mesmo com a lavoura se desenvolvendo bem existe grande preocupação com os percevejos. A soja é o grande alvo dos insetos que atacam a planta desde a floração até a formação dos grãos.

“Já vi muito desconto na classificação do grão por causa do ataque de percevejo. O limite é de danos nos grãos é de 8%, mas geralmente passa de 13%, devido ao ataque de percevejo. Em uma época de custos de produção elevados, isso acaba pesando muito no bolso, Um ataque de percevejo sem controle, acaba gerando um grande prejuízo na venda”, afirma Appelt.

Com medo de um novo ataque, o monitoramento é frequente na propriedade que Appelt cuida. A técnica mais usada é o pano de batida, uma maneira de calcular a população dos percevejos e intensificar a aplicação dos produtos intercalando os princípios ativos.

“Eu já cheguei a pegar de sete a oito insetos por batida de pano, Isso significa que já passou muito do índice controlável e eles já causaram muitos danos, perdeu-se muitas sacas por hectare”, conta Appelt.

O percevejo mais comum na região é o marrom. Mas, de uns anos para cá outro percevejo tem preocupado ainda mais os produtores, o castanho. “Esse percevejo castanho fica no solo e é difícil controlar. É preciso escavar e fazer uma trincheira para ver, imagina para controlá-lo? Estamos trabalhando com alguns produtos biológicos e sulfato de amônia para ver se conseguimos repelir esse percevejo. Ou consorciar a braquiária com a crotalária que é um repelente natural”, ressalta Appelt.

Lúcia Vivan é pesquisadora da Fundação Mato Grosso e desenvolve um estudo para identificar inimigos naturais dos percevejos. Inicialmente ela aponta que as infestações aumentaram muitos nas últimas safras.

“O principal problema aqui na região do Cerrado é o percevejo marrom. Mas, temos encontrado uma grande população do percevejo fedorento da asa preta. Ele consegue se desenvolver em algumas plantas daninhas e isso faz com que ele se mantenha na área por um período maior até do que o marrom. O percevejo verde pequeno, também foi encontrado em algumas áreas, principalmente mais no final do ciclo da soja. E, por fim, o percevejo barriga verde, que é mais ligado a danos no milho, mas tem permanecido até o início do plantio da soja”, conta Lúcia.

Para a pesquisadora, o aumento da população de percevejos em todas as principais áreas produtoras do país, pode ser atribuído ao uso contínuo do mesmo princípio ativo para o controle da praga.

“É importante que o produtor tenha o cuidado ao fazer rotação entre os modos de ação, principalmente em um área de soja não BT, onde ele precisa fazer o controle de outros insetos. O ideal é monitorar a cultura desde o início e não a partir da incidência, que acontece a partir da R3. Com percevejos adultos já fica mais difícil ter esse controle e reduzir a população”, explica Lúcia.

O produtor Appelt concorda que a rotação é importante, mas tem esbarrado em outra dificuldade na hora de controlar os insetos: a ausência de novos princípios disponíveis no mercado.

“Hoje estamos com dois princípios ativos no mercado e fazemos muitas aplicações para percevejo, sem fazer rotação, aí ele cria resistência mesmo. Não temos mais opções no mercado para poder controlar melhor essa praga. Seria interessante ter cultivares resistentes aos percevejos, uma opção até melhor que mais agroquímicos”, finaliza.

FONTE: Canal Rural
NOTÍCIAS RELACIONADAS
VER TODAS

Cadastre-se e receba gratuitamente as atualizações do Foco Rural em seu e-mail

Após o preenchimento de seu nome e e-mail, clique no botão CADASTRAR. Você receberá um e-mail para confirmação do cadastro. Caso não receba o e-mail, verifique sua Caixa de Spam. O recebimento de nossa newsletter depende da sua confirmação. Confira nossos Termos de Uso.


Cotações de Commodities fornecidas por Investing.com Brasil.
® 2011-2015. Foco Rural – O homem do campo bem informado. Todos os direitos reservados.
DESENVOLVIDO POR:
X
Enviar notícia por e-mail
*Meu Nome:
*E-mail Rementente:
*E-mail Destinatário: